Notícias

O que esperar após a eleição do novo líder de Taiwan, que prometeu defender a ilha da China

Lai Ching-te pediu uma maior cooperação com os EUA e "paz e estabilidade em ambos os lados do Estreito de Taiwan", ao mesmo tempo em que expressou sua disposição de defender a ilha "contra os ataques civis e militares da China".
O que esperar após a eleição do novo líder de Taiwan, que prometeu defender a ilha da ChinaAP / ChiangYing-ying

As eleições foram realizadas em Taiwan no sábado. Com mais de 40% dos votos, o candidato do Partido Democrático Progressista (DPP), Lai Ching-te, se tornará o próximo líder da ilha, estendendo o governo de oito anos de seu partido para um terceiro mandato.

As eleições ocorreram em meio a tensões crescentes entre o governo local apoiado por Washington e Pequim, que considera a ilha uma parte inalienável de seu território, conforme reconhecido pela maioria dos países. Portanto, essas eleições foram observadas de perto, não apenas pelos próprios habitantes da ilha, mas também em muitos países.

A direção política de Lai Ching-te

Após o anúncio dos resultados, Lai, um defensor da preservação da independência e de uma maior cooperação com os EUA, declarou que "entre a democracia e o autoritarismo, o povo escolheu ficar do lado da democracia, e Taiwan continuará a caminhar lado a lado com os aliados democráticos internacionais". Ao mesmo tempo, durante sua campanha eleitoral, ele descartou a possibilidade de declarar a independência durante seu mandato.

Ele disse que sua intenção é "manter a paz e a estabilidade em ambos os lados do Estreito de Taiwan, bem como o 'status quo' de acordo com o sistema constitucional da República da China". "Cooperar para melhorar o bem-estar das pessoas de ambos os lados do Estreito de Taiwan para atingir a meta de paz e prosperidade compartilhada. Mas estamos determinados a defender Taiwan contra os ataques civis e militares da China", enfatizou.

As eleições legislativas também foram realizadas no mesmo dia. Lai reconheceu que seu partido não conquistou a maioria das cadeiras no Congresso. Isso pode dificultar a aprovação de algumas de suas iniciativas, já que outras cadeiras serão ocupadas por legisladores dos partidos de seus oponentes: Hou Yu-ih, líder do Kuomintang (KMT) - o principal partido de oposição - e Ko Wen-je, do Taiwan People's Party. Ambos são a favor da retomada do diálogo com Pequim e da redução das tensões com a China continental.

A reação de Pequim e o futuro de suas relações com a ilha

As autoridades chinesas, que há muito insistem na reunificação de Taiwan, disseram que essa era uma questão "histórica inevitável" e rejeitaram a ideia de eleições desde o início.

Após os resultados da votação, um porta-voz da Embaixada da China no Reino Unido enfatizou que "as eleições na região chinesa de Taiwan são eleições locais e assuntos internos da China". Ele acrescentou que "qualquer que seja o resultado, ele não mudará o fato básico de que Taiwan faz parte da China e que existe apenas uma China no mundo".

Por sua vez, o porta-voz do Escritório de Assuntos de Taiwan no Conselho de Estado da China, Chen Binhua, afirmou que os resultados das eleições revelam que o PDP não pode representar a opinião pública majoritária na ilha, referindo-se ao fato de que o KMT e o Partido Popular de Taiwan obtiveram 33% e 26% dos votos, respectivamente.

Ele enfatizou que as eleições não mudarão a tendência no desenvolvimento das relações entre os dois lados. Ele também acrescentou que Pequim trabalhará com os partidos políticos de Taiwan, grupos relevantes e indivíduos de vários setores para impulsionar os intercâmbios e a cooperação, promover conjuntamente a cultura chinesa e promover o desenvolvimento pacífico das relações entre os dois lados do Estreito, bem como a causa da reunificação nacional.

"Cremos que a comunidade internacional continuará a aderir ao princípio de 'uma só China', compreendendo e apoiando a justa causa do povo chinês de se opor às atividades separatistas dos combatentes da independência de Taiwan e de lutar pela reunificação nacional", diz um comunicado emitido pelo Ministério das Relações Exteriores da China.

Reações dos EUA e de seus aliados

Poucas horas após o anúncio dos resultados, o presidente da Câmara dos Deputados dos EUA, Mike Johnson, anunciou que uma delegação de congressistas americanos visitará Taiwan em maio, depois que Lai assumir o cargo.

"Parabenizamos William Lai por sua eleição como o próximo presidente de Taiwan e estamos satisfeitos em ver a democracia prosperando entre o povo taiwanês. Para enfatizar o compromisso contínuo do Congresso com a segurança e a democracia, pedirei aos presidentes dos comitês relevantes da Câmara que liderem uma delegação a Taipei após a posse de Lai em maio", escreveu ele em sua conta no X.

Vale ressaltar que, com relação à possível visita da delegação dos EUA, o Ministério das Relações Exteriores da China disse na quinta-feira que Pequim "se opõe firmemente" a qualquer intercâmbio oficial entre Washington e Taipei. Ele pediu que o lado americano "lidasse de forma prudente e adequada com as questões relacionadas" à ilha e parasse de "enviar sinais errados para as forças separatistas, os combatentes da independência de Taiwan".

A União Europeia também emitiu um comunicado sobre o assunto, no qual "parabenizou todos os eleitores que participaram desse evento democrático". "Nossos respectivos sistemas de governo são baseados em um compromisso comum com a democracia, o estado de direito e os direitos humanos", afirmou.

Por sua vez, a Associação de Intercâmbio Japão-Taiwan, uma organização que representa os interesses do Japão na ilha, disse que Taipei é "um parceiro extremamente importante para o nosso país, com quem compartilhamos valores fundamentais, relações econômicas estreitas e intercâmbios entre pessoas, bem como um amigo valioso". Ele acrescentou que o governo japonês "continuará a manter sua posição sobre as relações práticas não governamentais com Taiwan e se esforçará para aprofundar a cooperação e os intercâmbios entre" o Japão e Taipei.

Por que Taiwan atrai tanta atenção?

A ilha fica próxima ao Estreito de Taiwan e ao Mar da China Meridional, uma rota marítima que liga o nordeste da Ásia ao Oriente Médio e à Europa. Muitos navios comerciais passam por essa rota, transportando alimentos, fontes de energia, recursos naturais e outras mercadorias. Portanto, no caso de um conflito na área, o comércio mundial seria significativamente prejudicado.

No que diz respeito aos EUA, eles têm bases militares nas Filipinas, no Japão e na Coreia do Sul, países aliados. Taiwan, portanto, serve como um elemento-chave que liga as Filipinas aos outros dois parceiros. Essa linha representa uma cadeia estrategicamente importante para Washington, pois dificultaria o posicionamento dos militares chineses no Pacífico Ocidental, informa o South China Morning Post.

No setor de tecnologia, a empresa taiwanesa Taiwan Semiconductor Manufacturing Company (TSMC), considerada a maior fabricante de chips, coloca a ilha no centro da competição tecnológica entre os EUA e a China.

Quais são as consequências da eleição para as relações entre a China e os EUA?

Após a eleição de Lai Ching-te, vários especialistas estão ponderando se o novo líder fará ajustes nas relações sino-taiwanesas ou mudará a situação na região. A esse respeito, Zhu Songling, professor de Estudos de Taiwan na Universidade de União em Pequim, declarou que "Lai Ching-te é uma figura impulsiva e politicamente tendenciosa e, portanto, não podemos descartar a possibilidade de que eventos imprevisíveis e desconhecidos possam ocorrer durante seu mandato", relata o The New York Times. O especialista argumentou que o líder eleito "é muito perigoso".

Evan S. Medeiros, professor de Estudos Asiáticos da Universidade de Georgetown, declarou que "os próximos quatro anos serão tudo menos estáveis nas relações entre os EUA e a China e no estreito".

De acordo com a professora e pesquisadora da Universidade da Califórnia, Susan Shirk, "é do interesse nacional da China expandir o caminho da integração pacífica para que eles não tenham que lutar". "Há muitas pessoas observando essa interação e a reação de Pequim", disse ela, acrescentando que "todos os investidores também estão observando".

"É provável que haja algum grau de tensão", porque Pequim vê a candidatura de Lai com profunda desconfiança, opinou Jennifer Welch, analista econômica chefe da Bloomberg Economics, que anteriormente atuou como diretora para a China e Taiwan no Conselho de Segurança Nacional dos EUA.

Comentando sobre os planos de interagir com Pequim para retomar o diálogo entre os dois lados, Wen-Ti Sung, cientista do Atlantic Council, think tank dos EUA, disse, citado pela AP, que as autoridades da China continental "criticaram Lai Ching-te por causa do nome". "Isso é algo que Pequim geralmente faz apenas quando acha que há pouca chance de os dois lados restabelecerem os laços", disse ele. Em sua opinião, é provável que Pequim recorra a "uma campanha de pressão máxima" na ilha.