Notícias

Arábia Saudita adverte Israel de "repercussões muito sérias" por atacar Rafah

Riad observou que esse é o "último refúgio para centenas de milhares de civis forçados a fugir da brutal agressão israelense".
Arábia Saudita adverte Israel de "repercussões muito sérias" por atacar RafahGettyimages.ru / Mohammed Talatene

A Arábia Saudita advertiu no sábado que Israel poderia causar "um desastre humanitário iminente" caso atacasse a cidade de Rafah, que atualmente abriga mais de um milhão de residentes deslocados da Faixa de Gaza.

"O Reino da Arábia Saudita adverte sobre as gravíssimas repercussões de um ataque à cidade de Rafah, na Faixa de Gaza, que é o último recurso para centenas de milhares de civis forçados a fugir pela brutal agressão israelense", diz um comunicado emitido pelo Ministério das Relações Exteriores saudita.

O Ministério das Relações Exteriores disse que Riad expressa "sua rejeição categórica e forte condenação" das "deportações forçadas" de Tel Aviv, reiterando "sua exigência de um cessar-fogo imediato".

"Essa violação contínua do direito internacional e do direito humanitário internacional confirma a necessidade de uma convocação urgente do Conselho de Segurança da ONU para impedir que Israel cause um desastre humanitário iminente pelo qual todos aqueles que apoiam a agressão são responsáveis", concluiu.

Uma possível "operação em massa"

Os comentários de Riad foram feitos depois que o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, ordenou que seu exército fizesse planos para evacuar os civis palestinos aglomerados na cidade de Rafa antes de lançar uma "operação maciça".

"É impossível atingir o objetivo de guerra de eliminar o Hamas deixando quatro batalhões do Hamas em Rafa", anunciou o gabinete israelense na sexta-feira em sua conta no X. "Pelo contrário, está claro que uma operação maciça em Rafa exige a evacuação da população civil das zonas de combate", acrescentou.

"O primeiro-ministro Benjamin Netanyahu ordenou, portanto, que as FDI e o establishment de segurança apresentassem ao Gabinete um plano combinado para evacuar a população e destruir os batalhões", concluiu o comunicado.