Notícias

Milei chega a Israel: "Meu plano é transferir a embaixada para Jerusalém Ocidental"

O presidente argentino foi recebido pelo chanceler do país hebreu, Yisrael Katz.
Milei chega a Israel: "Meu plano é transferir a embaixada para Jerusalém Ocidental"Gettyimages.ru / picture alliance / Contributor

Ao desembarcar em Tel Aviv na terça-feira, o presidente da Argentina, Javier Milei, afirmou que seu plano é transferir a embaixada argentina para Jerusalém Ocidental.

Milei foi recebido pelo ministro das Relações Exteriores de Israel, Yisrael Katz. "Para mim é um prazer, é uma honra estar aqui", declarou o mandatário argentino, condenando imediatamente os "terroristas do Hamas" e apoiando o direito de Israel "à sua legítima defesa".

"Obrigado, Senhor Presidente Javier Milei, por sua declaração sobre a transferência da embaixada da Argentina em Israel para Jerusalém, a capital. Viva a liberdade!", escreveu Katz na rede social do X.

Nesta terça-feira Milei visitou o Muro das Lamentações, em Jerusalém, e, após, está prevista uma reunião com seu homólogo israelense, Isaac Herzog.

Na quarta-feira, o mandatário terá uma reunião com empresários israelenses e com o primeiro-ministro, Benjamin Netanyahu.

"Saúdo calorosamente a chegada a Israel do presidente da Argentina, amigo de Israel, Javier Milei, que anunciou a transferência da embaixada argentina para Jerusalém. Seja bem-vindo, querido amigo!", declarou Netanyahu nas redes sociais. 

"Próximo ao judaísmo"

Milei, que também plantará uma árvore no Bosque das Nações do Fundo Nacional Judeu, explicou em mais de uma ocasião que estuda de forma exaustiva a Torá, o livro da lei dos judeus.

Também afirmou que apenas o pacto de sangue está faltando para sua conversão final ao judaísmo.

Em novembro, visitou o Ohel em Nova York, local onde está localizado o túmulo do rabino Menachem Mendel Schneerson, considerado um dos líderes judeus mais influentes do século XX.

A visita de Milei ocorre em meio aos incessantes ataques israelenses à Faixa de Gaza. O número total de vítimas da agressão israelense aumentou para 27.365 mortos e 66.630 feridos. O Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) estima que 17 mil crianças estão desacompanhadas ou separadas de suas famílias, e quase todas os menores precisariam de apoio na saúde mental.

Na quinta-feira, o presidente argentino viajará para o Kibbutz Nir Oz, localizado a poucos quilômetros da fronteira com Gaza e que foi alvo dos ataques de 7 de outubro pelo braço armado do Hamas.

A Argentina tem a quinta maior comunidade judia do mundo e a maior da América Latina. Cerca de cem pessoas realizaram uma manifestação em frente ao Ministério das Relações Exteriores em Buenos Aires na segunda-feira para pedir um cessar-fogo na Faixa de Gaza.