Notícias

Moscou: o pacto de segurança entre Kiev e Londres mostra que eles não permitirão que a Ucrânia negocie uma saída para o conflito

De acordo com a porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da Rússia, o acordo tem o objetivo de evitar que a OTAN "perca o interesse" no que está acontecendo na Ucrânia.
Moscou: o pacto de segurança entre Kiev e Londres mostra que eles não permitirão que a Ucrânia negocie uma saída para o conflitoAP / Efrem Lukatsky

O acordo de cooperação de segurança assinado na semana passada entre Kiev e Londres mostra que eles não permitirão que a Ucrânia negocie sua saída do conflito, disse a porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da Rússia, Maria Zakharova, em uma coletiva de imprensa na quarta-feira.

"A liderança britânica está fazendo todo o possível para evitar que os aliados da OTAN percam o interesse no que está acontecendo na Ucrânia, que Londres continua a ver como uma ferramenta geopolítica dirigida contra a Rússia", disse ela.

De acordo com a porta-voz, o acordo mostra que Kiev "não tem literalmente nenhuma chance de negociar sua saída do conflito, transformando-o em uma moeda de troca nas aventuras anglo-saxônicas e mantendo-o no curso atual do confronto euro-atlântico e anti-russo".

Zakharova enfatizou que o acordo obriga a Ucrânia a responder dentro de 24 horas a um ataque ao Reino Unido e a defendê-lo. "Nenhuma pessoa normal pode acreditar nisso, já que o regime do [presidente ucraniano Vladimir] Zelensky grita a cada passo que se nem mais um dólar, euro ou libra for transferido para ele, não sobrará nada da Ucrânia", disse ela.

"Os ucranianos simplesmente receberam um conjunto de promessas brilhantes de ajuda, principalmente consultoria e aconselhamento, enquadradas em belas garantias de apoio à Ucrânia, que não têm força legal vinculativa", concluiu.

O Acordo de Cooperação em Segurança entre o Reino Unido e a Ucrânia estipula que Londres e Kiev decidiram "aprofundar sua cooperação". Os principais componentes dos compromissos de segurança do Reino Unido incluem:

  • ajudar a Ucrânia a "proteger e restaurar sua integridade territorial dentro de fronteiras internacionalmente reconhecidas" 
  • prevenir e combater a qualquer escalada militar
  • apoiar a futura integração da Ucrânia às instituições euro-atlânticas.

O acordo também descreve as medidas a serem tomadas no caso de um ataque armado ao território ucraniano, mas não menciona a possibilidade de envolvimento direto do Reino Unido no conflito ou o envio de suas tropas ao território ucraniano. Ele afirma que, no caso de um ataque armado da Rússia, os dois lados se consultarão dentro de 24 horas "para determinar as medidas necessárias para combater ou impedir a agressão". Sob essas condições, o Reino Unido promete fornecer assistência de segurança e equipamentos militares, impor sanções contra a Rússia e consultar a Ucrânia sobre suas necessidades.

"De repente, eles precisam colocar as mãos nessas minas"

A diplomata também indicou que a European Lithium Limited, de propriedade de um empresário britânico, comprou uma empresa ucraniana de lítio com licença para explorar um depósito localizado no território da República Popular de Donetsk.

"Curiosamente, no verão de 2023, a própria European Lithium Limited o rejeitou [esse depósito] por causa [...] da proximidade com a linha de frente. Hoje, os investidores britânicos de repente precisam colocar as mãos nessas minas", disse ele, acrescentando que "tudo o que agora é dado ao regime de Kiev [...] é dado a crédito sob a obrigação de compensar tudo".

"Nunca houve um momento na história em que os anglo-saxões, depois de darem algo a alguém, não o exigiram de volta, e ainda mais com dinheiro extra. Com o que a Ucrânia e o povo ucraniano pagarão por tudo isso? Está claro com o quê: com terra, subsolo", enfatizou.

Além disso, a porta-voz da chancelaria russa enfatizou que, de acordo com as previsões, a Ucrânia poderia entrar em default até 2024 devido à sua crescente dívida pública.